Ouriço

Os ouriços têm se tornado animais de estimação muito comuns nos EUA e Europa nos últimos anos. 

Existem várias espécies espalhadas entre a Europa e a Ásia, de todas elas, a mais comum criada em cativeiro é o ouriço africano. Não podemos confundir com o ouriço-cacheiro, espécie brasileira de roedor, que não tem nenhum parentesco com os ouriços do Velho Mundo (Europa, Ásia e África). 

Os ouriços do Velho Mundo estão classificados na Ordem dos Insetívoros, uma Ordem específica de mamíferos que se alimentam basicamente de insetos. Já o ouriço brasileiro por ser um roedor (parente do rato e da capivara), alimenta-se basicamente de vegetais.

A principal característica destes animais é a camada de espinhos que recobre o dorso. Estes espinhos são apenas pelos modificados, que se aglomeram e servem de proteção contra os predadores, pois os ouriços são animais lentos e desajeitados. Normalmente têm hábitos noturnos, mas os mantidos em cativeiro costumam adotar os hábitos do dono.

O ouriço é muito adotado como animal de estimação por ser muito dócil, ter pequeno porte (atinge no máximo 25cm de comprimento e 1kg de peso) e ser muito carismático (mesmo com os espinhos!!). A expectativa de vida é de 8 anos. A gestação dura 35 dias e em uma ninhada podemos ter até 10 filhotes.

Pode ser mantido em gaiolas ou em caixas de madeira, forradas com jornal ou maravalha. Os banhos não são necessários para os ouriços, eles costumam fazer a própria higiene, inclusive na região dorsal (com muita cautela, é claro!!). A coloração varia do bege ao cinza escuro, existindo variações albinas muito bonitas.

A dieta dos ouriços na natureza é composta por insetos, minhocas, crustáceos, aranhas e às vezes alguns brotos e raízes. Em cativeiro costuma-se oferecer ração canina úmida, ração felina seca, queijos, tenébrios (larvas de besouros), minhocas, vitaminas e minerais.

Existem raros exemplares no Brasil, em zoológicos e com alguns criadores particulares, já que a comercialização dos ouriços não é permitida pelo IBAMA.