Porquinho-da-Índia

O porquinho-da-índia, apesar do nome, é um roedor, como o hamster e a chinchila. Também é chamado de cobaia.  Originário da América do Sul, ocorre principalmente na região dos Andes (Chile, Peru, Colômbia e Equador), onde é uma iguaria bastante apreciada. 

Na época do descobrimento da América (chamada de Índias Ocidentais) foi levado a Europa, os europeus o acharam parecido com um porco e o batizaram.

São animais muito dóceis e se acostumam com o convívio humano se manipulados com docilidade. 

São animais capazes de reconhecer o dono, emitindo sons peculiares quando o vê, mas também se assusta com facilidade e se esconde na presença de estranhos. Seus hábitos são noturnos, preferindo esta hora do dia para brincar com seus donos. A expectativa de vida é de 7 anos.

Há três raças de porquinho-da-índia: o Inglês (pêlo curto), o Angorá (pêlo longo) e o Roseta (pêlo curto e áspero, formando redemoinhos por todo o corpo). O mais comum é o Inglês.

A alimentação do porquinho-da-índia é baseada em ração peletizada, verduras, legumes e frutas. É importante oferecer alimentos ricos em vitamina C, como frutas cítricas e verduras verde escuras, pois a deficiência desta vitamina é um dos principais males da espécie.

Mantê-los em uma gaiola ampla, feita de metal e de fácil higienização é a melhor alternativa.  Mantenha a gaiola em local arejado e protegido de sol forte, chuva e correntes de ar. A gaiola deve ter o assoalho com frestas para que as fezes e urina caiam e não entrem em contato com o porquinho. O bebedouro pode ser do tipo garrafa ou mamadeira. Evite criar apenas um animal, pois são bastante gregários e sentem-se melhor vivendo em grupos.

Em relação a reprodução é um animal muito fértil; assim como o coelho, pode ter várias gestações durante o ano. Aos 3 meses de idade o porquinho já está apto a procriar. Um macho é suficiente para cerca de 5 fêmeas, e juntar dois ou mais machos pode dar em briga. A fêmea entra no cio (que dura de 7 a 15 dias) e muda seu comportamento, procurando constantemente o macho. A gestação dura cerca de 66 dias (período pode variar de 59 a 72 dias). A ninhada é de no máximo 3 filhotes. Logo após o parto a fêmea entra no cio novamente, portanto, se você não quiser um superpopulação de porquinhos-da-índia em sua casa, separe o macho alguns dias antes do parto até 10 dias após o nascimento dos filhotes. O macho não costuma ingerir os filhotes, como pode acontecer nas criações de hamsteres e coelhos. Os filhotes já nascem bastante espertos e peludos, saindo logo do ninho para “passear”. O desmame dos filhotes ocorre aos 20 dias de vida.

Em relação às doenças os porquinho-da-índia mostram-se bastante resistentes. No entanto quando ficam doentes tornam-se muito frágeis e param de comer, além de ficarem “tristes”. As principais doenças são a deficiência de vitamina C (que causa emagrecimento, fraqueza e falta de apetite), os problemas de pele (micoses, infecções e sarnas) e as diarréias. Acidentes também são comuns, principalmente naqueles animais que ficam soltos em casa sem supervisão do dono.