Teiú

O teiú é um lagarto muito popular no interior do Brasil, onde tem a fama de assaltar galinheiros para atacar ovos e pintinhos.

Além desta fama de predador, muitas populações também o utilizam como exótico prato culinário. Este mesmo lagarto é criado em cativeiro no Brasil (já é criado na Europa e EUA há anos) e comercializado com aval do IBAMA. 

São lagartos encontrados desde a Amazônia até a Argentina, podendo habitar regiões úmidas como florestas, regiões secas como a caatinga e até regiões de clima temperado com é o caso do teiú argentino.

Os teiús possuem hábitos terrestres, mas são capazes de escalar pequenas árvores e rochas.

São animais diurnos. Possui unhas bastante fortes, assim como a mandíbula. Sua coloração varia bastante conforme o local de origem e a idade.

O teiú brasileiro costuma ser branco e preto ou com manchas amarelas ao invés do branco; já o argentino tem uma coloração rósea que pode variar até o vermelho intenso.

O teiú é um animal bastante rústico, dispensando menos cuidados do que a tradicional e popular iguana. A temperatura é fator fundamental para as atividades fisiológicas dos répteis, como digestão, circulação, respiração e resistência a doenças.  Sendo assim, o ideal é manter o animal em um ambiente aquecido entre 24 e 28°C. 

Os métodos de aquecimento variam bastante, podendo se usar placas ou pedras aquecidas e lâmpadas. Os raios solares ou a utilização de lâmpadas que emitem raios ultra-violetas são muito importantes para a fixação da vitamina D, que é responsável pela calcificação dos ossos do teiú.

Os teiús são animais quase que exclusivamente carnívoros. Não há necessidade de alimentá-lo diariamente. Sua dieta deve ser composta por carnes, vísceras, ovos, frutas e alimento vivo (camundongos, pintinhos e insetos). Na natureza alimenta-se basicamente de aves, roedores, insetos, ovos e frutas silvestres. Existem rações apropriadas para a espécie. Água deve estar sempre disponível, em um grande recipiente. 

Com estes principais cuidados, que são temperatura, raios solares e alimentação correta, basta saber onde criar o animal. O local ideal é um terrário amplo e à prova de fugas. Pode-se utilizar jornal, areia, carpete ou até mesmo terra como substrato do terrário. Pode-se ornamentar o terrário com diversas plantas e troncos. Coloque um abrigo para que o animal se esconda quando desejar.  O controle de umidade é essencial para que não haja desidratação.

Vale lembrar, que os teiús tem fortes mandíbulas e que alguns indivíduos podem se tornar agressivos inclusive com seu dono. Animais nascidos em cativeiro, no entanto, costumam ser dóceis. São animais que crescem bastante rápido e atingem grandes dimensões (até 2,0metros com a cauda), dando relativo trabalho e exigindo terrários maiores.

As doenças observadas nestes animais são decorrentes do tráfico (muitos já chegam parasitados e debilitados) e de cuidados inadequados, principalmente por alimentação incorreta e falta de aquecimento, raios ultra-violetas ou umidade.

Se você pretende adquirir um destes animais, certifique-se de que é um animal proveniente de criadouro e exija a nota fiscal do IBAMA. Não compre animais provenientes de tráfico.